Artigos

Você está em: Artigos

>>

Pitágoras e as Vidas Sucessivas

Pitágoras e as Vidas Sucessivas

A soma do quadrado dos catetos é igual ao quadrado da hipotenusa.
Catetos? Hipotenusa?
Certamente o leitor não familiarizado com a geometria, reclamará:
– Isso é grego para mim!
Realmente, é coisa de grego, do genial Pitágoras (580-500 a.C.), estabelecendo as relações entre os lados do triângulo retângulo. A partir dessas elucubrações inacessíveis aos não iniciados, ele e seus discípulos demonstraram que as leis que regem o Universo podem ser expressas em termos matemáticos.
Toda a Física estrutura-se nesse princípio e a própria Teoria da Relatividade, de Albert Einstein, (1879-1955), que revolucionou a Ciência, exprime-se num enunciado matemático: E = mc2.
Como todos os grandes filósofos gregos, Pitágoras excursionou pelos domínios do Espírito.
Concebeu a imortalidade e as vidas sucessivas. As almas retornam à carne indefinidamente, em incontáveis existências, até atingir um grau de aprimoramento que lhes permita harmonizar-se com o Universo, para viver em altos planos do infinito.
Comentam detratores que Pitágoras ensinava a metempsicose, a transmigração das almas em corpo de animal.
O membros da escola pitagórica não comiam carne. Afirmava-se, jocosamente, que não o faziam para não correr o risco de se servirem do cadáver de um familiar desencarnado.
– Cuidado! Pode ser seu bisavô!
Na verdade, a metempsicose é anterior a Pitágoras. Estava disseminada na cultura popular, mas não fazia parte do círculo dos iniciados pitagóricos, tanto, que Hierocles, um de seus discípulos, esclarece:
Aquele que espera ser posto no corpo de um animal, depois da morte, tornando-se destituído de razão por causa de seus vícios, ou numa planta por causa de seu embotamento e estupidez, está infinitamente iludido, e absolutamente ignorante da forma essencial da nossa alma, que jamais se pode modificar, sendo e continuando a ser, sempre, homem. Diz-se que alguém se torna deus ou besta, conforme suas virtudes ou vícios, embora em sua natureza não possa ser nem uma coisa nem outra; apenas pela semelhança que tenha com uma ou com outra.
Realmente é fácil identificar alguns comportamentos bestiais na sociedade humana:
• Feroz como um leão.
• Venenoso como uma cascavel.
• Indolente como uma preguiça.
• Falastrão como um papagaio.
• Irrequieto como um macaco.
• Teimoso como uma mula.
• Comilão como um suíno.
Tais fraquezas não nos precipitarão de retorno aos reinos inferiores, em futura reencarnação, embora devamos reconhecer que muita gente o merece. Elas nos dizem que ainda há muito de animalidade primitiva em nossa personalidade.
Segundo a Doutrina Espírita todos os seres vivos têm um princípio espiritual, seja uma árvore, um animal, um peixe, um inseto… Está submetido a leis de evolução, que ao longo dos milênios lhe darão a complexidade necessária para a conquista da razão e do livre-arbítrio.
Surgirá, então o Espírito, o ser dotado da capacidade de pensar, segundo define a questão 76, de O Livro dos Espíritos.
A partir desse estágio, deixa de ser conduzido e passa a conduzir-se com seus próprios recursos, valorizando suas aquisições.
Firma-se como uma individualidade, um filho de Deus, dotado de suas potencialidades criadoras, à sua imagem e semelhança, como está na expressão bíblica.
Conquistada a razão, transformados em Espíritos, numa transição definitiva que ocorre em outros planos da Criação, jamais retornaremos à irracionalidade.
A Lei Divina não admite retrocessos. Este é um preceito tão perfeito quanto os postulados matemáticos enunciados por Pitágoras.
Está presente na sábia máxima atribuída a Allan Kardec:
Nascer, viver, morrer, renascer ainda e progredir sempre. Esta é a Lei.

Livro Luzes no Caminho


 

2010 - Richard Simonetti