Artigos

Você está em: Artigos

>>

Salvo-Conduto

Salvo-Conduto

Quando escrevia o livro Quem Tem Medo da Morte?, estive no crematório, em Vila Alpina, São Paulo, a fim de colher informações sobre a incineração de cadáveres.
Pretendia, como o fiz, escrever um capítulo sobre o assunto.
O administrador, gentilmente, mostrou-me como funciona o serviço, ressaltando que dentro do forno a temperatura é de aproximadamente três mil graus centígrados.
Podemos imaginar o que seja isso, lembrando que a água ferve a cem graus. Segundo ele, é uma temperatura tão elevada que tudo ali entra em combustão, caixão, metais, enfeites, roupas, pregos, sapatos…
Até o cadáver!
E, algo espantoso: quanto mais gordo o defunto, maiores as chamas, porquanto a gordura é um comburente.
Então, amigo leitor, se pensa em ser cremado, faça um regime para… morrer!
Caso contrário, vai ser aquele fogaréu!


***

Perguntará você:
– E o Espírito? Se ligado ao corpo, no momento da cremação, o que acontecerá?
Certamente “morrerá” de susto. Imaginará estar confinado no inferno.
– Meu Deus, vim parar na caldeira do Pedro Botelho!
Brincadeirinha, amigo leitor.
Qualquer cristão sabe que Céu e Inferno não são locais geográficos, mas estados de consciência.
Jesus dizia (Lucas, 17:21):

…o Reino de Deus está dentro de vós!

O inferno também.
Depende de como vivemos, de como sentimos…
Se ainda jungido aos despojos carnais, poderá o Espírito, em princípio, sentir-se devorado pelo fogo.
Impressão desagradável, sem dúvida, mas meramente ilusória.
As chamas do plano físico não afetam a dimensão espiritual nem os que nela se encontram.
Desintegrados os despojos carnais, o Espírito estará liberado.
Aí reside o problema, porquanto poderá enfrentar dificuldades de adaptação, em virtude do desligamento extemporâneo.
Por isso, Emmanuel, o mentor espiritual de Chico Xavier, recomenda que esperemos três dias, se pretendemos os serviços do crematório.
Até lá, salvo exceções, estaremos liberados.
Em Vila Alpina espera-se pelo tempo que a família desejar, sem problema.
Quando lá estive, um cadáver cumpria o prazo de sete dias, solicitado pelo próprio finado. Outro, estrangeiro, estava em autêntica quarentena, há quase um mês, esperando que fossem localizados seus familiares, em outro país.
A família paga uma diária, como num hotel.
Hotel de defuntos.
Preço módico. Não há refeições…


***

No futuro, numa humanidade mais espiritualizada, a cremação será prática rotineira.
Eliminaremos o culto aos cadáveres, que se exprime na visita aos cemitérios. Aprenderemos a cultuar a memória do morto querido na intimidade do coração, substituindo vasos e flores, velas e incenso, pela dádiva de roupas e alimentos aos carentes, em seu nome.
E hão de ficar muito felizes os que partiram, por sentir que a separação sensibilizou nossas almas para a solidariedade, esse salvo-conduto maravilhoso que um dia nos ajudará a transpor com segurança as fronteiras do mundo físico para encontrá-los no continente espiritual.

Livro Abaixo a Depressão

 

2010 - Richard Simonetti