Pingafogo

Novo Espiritualismo

1 – Espiritismo e espiritualismo têm o mesmo significado?
Não. Espiritualismo é a crença na existência e sobrevivência do Espírito, o ser pensante. Por isso, católicos, evangélicos, budistas, maometanos, enfim, os religiosos de um modo geral, são todos espiritualistas.

2 – E o espírita?
Também, pelo mesmo motivo. A diferença é que o Espiritismo desenvolve um novo espiritualismo, uma maneira avançada de apreciar a sobrevivência da alma.

3 – Qual seria a diferença entre as religiões espiritualistas e esse “novo espiritualismo”?
Em se tratando da vida espiritual, elas são especulativas. À falta de informações precisas, os teólogos que formularam seus princípios imaginaram como seria o Além. A Doutrina Espírita faz diferente: alicerça seus princípios em informações colhidas no contato com a dimensão extrafísica. Começa exatamente onde terminam as religiões, desbravando o vasto continente espiritual.

5 – A idéia seria separar a realidade da fantasia?
Exatamente. Se, tentando descobrir como vivem os franceses, partirmos para a imaginação, resvalaremos para a fantasia, desenvolvendo noções totalmente distanciadas da realidade. Mais prático entrevistar alguns franceses, de várias camadas sociais, a nos oferecerem uma visão perfeita de como é a vida na França.

6– Ainda que a ciência espírita garanta a autenticidade do intercâmbio com o Além, como podemos ter certeza de que as informações colhidas oferecem uma visão real desse mundo invisível?
Pelo critério de universalidade. Se perguntarmos a um francês sobre a vida na França, e ele mentir, seremos confundidos. Mas, se perguntarmos a muitos franceses, isoladamente, cotejando as respostas, teremos a verdade. O mesmo acontece no intercâmbio com o Além. Muitos Espíritos entrevistados, com o concurso de muitos médiuns, nos oferecem uma visão objetiva de como vivem.

7– Exorcistas, nas religiões tradicionais, atribuem ao demônio essas manifestações…
Trata-se de uma fantasia teológica que seria perfeitamente superada se os exorcistas se dessem ao trabalho de pesquisar, usando a metodologia espírita. Constatariam, tranqüilamente, que são as almas dos mortos que se manifestam.

8– Como podem os mortos entrar em contato com os vivos se estão dormindo, num sono que se prolongará até o chamado juízo final, quando retomarão seus corpos para o retorno à vida?
Não é o que informam os mortos. O Espírito, o ser pensante, não necessita do corpo para existir e exercitar suas faculdades. A morte apenas o libera das limitações físicas, restituindo-lhe a liberdade que perdera ao reencarnar. E, porque não vive em compartimentos estanques, pode, perfeitamente, comunicar-se com os homens.

9– Se os princípios espíritas são tão claros e objetivos, com essa ampla visão das realidades espirituais, por que as pessoas têm dificuldade em aceitar?
A única dificuldade está na falta de disposição para apreciá-los. Há variados preconceitos e condicionamentos negativos, relacionados ao assunto. Qualquer pessoa que estude o Espiritismo acabará por converter-se. A Doutrina é extremamente racional e, sobretudo, consoladora. Que o digam aqueles que chegam ao Centro Espírita motivados por situações aflitivas e dolorosas.

2010 - Richard Simonetti