Pingafogo

Em Favor da Justiça

1 – Como definir a filosofia?
Chamado sábio por seus contemporâneos, Pitágoras (580-500 a.C.), modestamente, dizia: – Sou apenas um amigo da sabedoria. Em grego, philósophos. A filosofia seria, portanto, um empenho de buscar a sabedoria, no seu sentido mais nobre – desvendar a verdade pela aquisição de conhecimentos e o exercício da razão.

2 – Podemos, filosoficamente, demonstrar a realidade da reencarnação?
Sim, desde que admitamos que Deus existe e tem por atributos a justiça e a bondade.

3 – Como provar que Deus existe?
No axioma aplicado às ciências, evocado em O Livro dos Espíritos, questão 4: Não há efeito sem causa. Se o Universo é um efeito inteligente, tão perfeito que transcende a compreensão humana, necessariamente tem uma causa inteligente.

4 – E como demonstrar que Deus é justo e bom?
Há no ser humano um anseio inato de justiça e bondade. Criados à sua imagem e semelhança, o que existe em nós no relativo, forçosamente existe no absoluto, em Deus.

5 – E o que tem a reencarnação a ver com a justiça e a bondade de Deus?
Sem a reencarnação fica difícil conciliar esses atributos da divindade com as injustiças e maldades que preponderam na Terra.

6 – Dizem que Deus faz sofrer aos que ama, preparando-os para as bem-aventuranças celestes…
Quem sofre muito é bem amado por Deus? Quem menos sofre, Deus pouco ama? É uma idéia absurda. Contraria elementares princípios de equidade.

7 – Se a filosofia aponta na direção da reencarnação, porque a maior parte dos filósofos não a admite?
Os filósofos estão interessados em explicar o Universo estribando-se raciocínios materialistas, com abstração de Deus e do Espírito imortal, conceitos básicos para se cogitar da reencarnação.

8 – Por que Allan Kardec não foi reconhecido como filósofo?
Porque sempre deixou bem claro que o Espiritismo é obra dos Espíritos, algo inadmissível para o materialismo que domina a filosofia. Por agravante, Kardec recusou-se adotar a linguagem arrevesada dos filósofos, inacessível ao homem comum. Isso permitiu que se fizesse entendido pelo povo, mas lhe fechou as portas das academias.


 

2010 - Richard Simonetti