Pingafogo

Violência Juvenil

01 – A ação criminosa de Mitchel Johnson e Andrew Golden, meninos americanos de apenas 13 e 11 anos, matando quatro crianças e uma professora, e ferindo mais 11 pessoas, é profundamente chocante. Como explicar que crianças cometam semelhante ação, própria de calejados psicopatas?
As crianças são espíritos reencarnados. Sua inocência assemelha-se à placidez dos adormecidos. Na medida em que despertam para a vida física, reassumem sua personalidade. isso acontece na adolescência, cujo início pode variar entre os indivíduos, mas geralmente a partir dos 10 anos.


02 – Ambos seriam espíritos belicosos e violentos?
Trazem fortes tendências agressivas. Caso contrário não cometeriam aquela atrocidade. É preciso considerar, entretanto, que a agressividade é uma característica do comportamento humano. Estamos muito próximos da animalidade, distantes da angelitude.

03 – Assim sendo, qualquer pessoa poderia se envolver numa ação dessa natureza?
Possivelmente nem todos chegaríamos a tais extremos, mas raros superaram inteiramente a tendência de imitar os brutos das cavernas, tentando resolver as pendências “no braço”.

04 – O americano parece mais propenso a essas ações criminosas, envolvendo crianças e adultos. São freqüentes esses massacres. Será um povo mais violento?
Não mais que os outros. Nos estados unidos essas ocorrências são mais freqüentes, envolvendo cidadãos aparentemente pacatos, por que há o livre acesso às armas de fogo. Os dois meninos não tiveram dificuldade em reunir o arsenal para a fuzilaria em que se envolveram.

05 – Está certa a legislação brasileira, então, que proscreve ao cidadão comum o porte de armas?
Certíssima. Ter arma em casa é ensejo para a tragédia. São freqüentes os episódios de crianças que se matam ou matam alguém, “por brincadeira”. por outro lado o porte de arma de fogo sempre estimula os impulsos agressivos. O cidadão sente-se meio dono da verdade, poderoso, e acaba fazendo bobagem.

06 – Não seria razoável o porte de armas para defesa pessoal, em face do clima de violência que há hoje em dia nas cidades?
Raramente alguém se livra de assaltos exibindo uma arma. O assaltante tem a iniciativa e não vacila em matar, se percebe qualquer gesto ameaçador da vítima. Isso tem acontecido com freqüência. Melhor não reagir, deixar que os representantes da lei cuidem do assunto.

07 – Como conter os impulsos agressivos das crianças, evitando que se envolvam em acontecimentos danosos?
É sempre oportuno lembrar que o estado de infância é propício à mudança de tendências e hábitos do espírito encarnado, como está registrado na questão 383, de O Livro dos Espíritos. compete aos pais orientar os filhos, ajudando-os a vencer as tendências à agressividade, com a força do exemplo.

08 – Haverá um método especial?
Sim, o diálogo. Lares bem ajustados, onde os fatos e problemas do dia-a-dia são comentados e debatidos, as crianças distinguem melhor o certo do errado, o bem do mal, a verdade da mentira, aprendendo a combater impulsos e tendências não compatíveis com uma existência produtiva e feliz. Importante, nesse particular, o culto do Evangelho no lar, uma reunião em família, onde conversamos sobre os ensinamentos de Jesus, trazendo-o para o cotidiano.


 

2010 - Richard Simonetti