Pingafogo

Influências Espirituais

1 – Geralmente as pessoas têm dificuldade para manter a estabilidade emocional. Variam muito, da tristeza à alegria, da depressão à euforia, do bom ânimo ao desalento. Nem sempre essas emoções estão associadas ao dia-a-dia. Tem algo a ver com mediunidade?
Sem dúvida! Essa ciclotimia, essa diversificação inexplicável de estados emocionais, está associada à natureza dos Espíritos que se aproximam de nós, das influências que sofremos.

2 – As almas dos mortos?
Sim. Homem desencarnados, libertos da matéria, mas presos aos interesses humanos. Permanecem entre nós e nos influenciam, motivam e até conduzem. Na questão 459, de O Livro dos Espíritos, os mentores espirituais que respondem a Kardec informam que essa influência é tão intensa que, não raro, são eles que nos dirigem.

3 – Por que fazem isso? Qual o seu propósito?
As motivações desses Espíritos atendem à sua própria condição. Há os que estão perplexos e querem ajuda; os que se divertem em atazanar os encarnados; os que exercem vingança; os que se vinculam aos vícios e desejam intermediários para satisfazer-se…

4 – Como distinguir nosso pensamento daquele que é inspirado por um desencarnado?
Em princípio é difícil, porquanto o fluxo mental dos Espíritos aos quais nos associamos exprime-se em nossa mente como se fossem nossos pensamentos, algo de nosso íntimo.

5 – Isso significa que tanto pensamentos quanto emoções podem refletir simplesmente o que se passa com o Espírito que se aproxima?
Exatamente, mas é preciso considerar a questão da sintonia. Geralmente essas entidades guardam compatibilidade com nossa maneira de ser, tendências e idéias.

6 – Segundo esse princípio, seria impossível, por exemplo, um Espírito induzir ao suicídio alguém que jamais cogitasse de tal iniciativa?
Sim, se o desencarnado consegue incutir na pessoa o desejo de matar-se, certamente ela é simpática a essa idéia, admite-a e chega a acalentá-la.

7 – Como podemos superar essas influências negativas, habilitando-nos a receber apenas boas influências?
Na questão 469, de O Livro dos Espíritos, Kardec faz essa mesma pergunta. O mentor proclama, incisivamente: Praticando o Bem e pondo em Deus a vossa confiança… Temos aí precioso roteiro para nos livrarmos de influências negativas.

8 – Como funciona?
A confiança em Deus sustenta o equilíbrio das emoções, nas situações difíceis, evitando os estados depressivos que nos tornam vulneráveis às influências inferiores; a prática do Bem nos coloca em sintonia com as fontes da Vida, facultando a infalível proteção dos benfeitores espirituais.


 

2010 - Richard Simonetti