Pingafogo

Orientação Mediúnica

01 – Pessoas que se apresentam no centro espírita perturbadas e aflitas, em face de fenômenos mediúnicos, como ver espíritos ou sentir sua presença, são médiuns?
Todos somos passíveis de sofrer a influência dos espíritos. Pessoas sob tensão nervosa podem experimentar fenômenos mediúnicos sem que tenham mediunidade a desenvolver.

02 – Há dirigentes que logo as encaminham para a reunião mediúnica, informando que o desenvolvimento é o caminho indispensável para que se livrem de suas perturbações. É assim mesmo?
Cometem um grave equívoco. Pessoas nessas condições devem ser encaminhadas ao tratamento espiritual, envolvendo fluidoterapia e orientação doutrinária. Quando reequilibradas e esclarecidas freqüentarão cursos doutrinários que as habilitarão à reunião mediúnica.

03 – Como saber se são médiuns ou não?
O tempo dirá. Não há por que se preocupar com isso em princípio.

04 – O que acontecerá se encaminharmos uma pessoa com perturbações espirituais à reunião mediúnica?
Antes de mais nada ela perturbará o equilíbrio vibratório do grupo, em face de seu despreparo para o contato com o além e poderá tornar-se mais sensível às próprias influências que venha sofrendo.


05– Se é errado, porque alguns dirigentes espíritas insistem nessa prática?
Falta de estudo. As reuniões mediúnicas costumam ser realizadas por muitos centros espíritas “à moda da casa”, ignorando-se o modo correto, expresso em “O Livro dos Médiuns”, que, infelizmente, tem sido pouco procurado e, não raro, ignorado.

06 – Os órgãos de unificação não deveriam orientar a esse respeito?
Certa feita um expositor espírita, representando uma UME (União Municipal Espírita) visitou centro espírita filiado. Experiente e culto, deu uma aula perfeita sobre o intercâmbio com o além. No dia seguinte o presidente do Centro escreveu à UME vetando novas visitas daquele expositor. O Centro queria os benefícios da unificação, mas não estava disposto a assumir compromisso com mudanças em seus trabalhos.

07 – Numa situação assim não seria razoável uma pressão sobre o Centro, envolvendo até mesmo a renovação da diretoria?
Os Centros Espíritas não estão subordinados administrativamente aos órgãos de unificação. Considere-se, ainda, que unificar é, sobretudo, unir em torno dos objetivos doutrinários, meta que jamais será alcançada se forem exercitadas práticas intervencionistas.

08 – O que pode fazer em benefício de saudável renovação, o freqüentador do centro que faz um espiritismo à moda da casa?
Deve participar de suas atividades, assumir compromissos, conquistar espaço com dedicação e boa vontade. Nosso trabalho é a melhor credencial quando pretendemos mudanças. Atacar uma estrutura errada pelo lado de fora tenderá a fazer que se volte contra nós. Dentro dela poderemos agir com tranqüilidade, sem reações adversas.

2010 - Richard Simonetti