Pingafogo

Reuniões Mediúnicas

1 - Por que há centros espíritas que não realizam sessões mediúnicas públicas?
Para que ocorra de forma produtiva e eficiente, o intercâmbio com o além exige perfeito entrosamento dos participantes, com razoável conhecimento dos mecanismos da mediunidade e da responsabilidade inerente a essa atividade. Impossível esperar isso tudo de pessoas não familiarizadas com o assunto, que comparecem ao centro espírita apenas para receber ajuda espiritual.

2 - Isso não transforma a atividade mediúnica em privilégio de alguns em meio ao vasto contingente de pessoas interessadas?
Ninguém está impedido de participar. Espera-se apenas que o interessado prepare-se devidamente para intercâmbio a fim de que, por desinformação, não venha a comprometê-lo.

3 - Essa orientação aplica-se a qualquer tipo de atividade mediúnica?
Há exceções, envolvendo principalmente cirurgias, curas espirituais e receituário, que, não raro, objetivam despertar as pessoas para o fenômeno mediúnico. Atraem muita gente, mas seriam bem mais produtivas se realizadas na intimidade, com grupos mediúnicos adequados.


4 - Há alguma observação de Kardec a respeito?
Em O Livro dos Médiuns, capítulo III, que trata “do método”, após discorrer sobre os inconvenientes de uma participação sem preparo prévio, diz kardec: Tais os motivos que nos forçam a não admitir, em nossas sessões experimentais, senão quem possua suficientes noções preparatórias, para compreender o que ali se faz, persuadido de que os que lá fossem, carentes dessas noções, perderiam o seu tempo, ou nos fariam perder o nosso. Ocioso, talvez, lembrar que no Brasil consagrou-se a expressão prática, que equivale a experimental.

5 – Como deve proceder a pessoa que deseja participar de uma reunião mediúnica?
Deve freqüentar cursos de iniciação espírita e mediúnica, que todo Centro Espírita bem orientado mantém.

6 - Se a pessoa apresenta sintomas de mediunidade – vê espíritos, desmaia, tem crises de depressão e angústia, mesmo assim deve freqüentar durante algum tempo esses cursos?
Numa situação de desajuste psíquico o paciente experimenta esses fenômenos apenas por superexcitação da sensibilidade, sem que tenha, necessariamente, mediunidade a desenvolver. isso só o tempo definirá.

7 - E se tais sintomas forem decorrentes da eclosão da mediunidade?
Ainda que seja médium, seu reequilíbrio não decorrerá do chamado “desenvolvimento”. dependerá essencialmente de seu empenho em conhecer o fenômeno, aprendendo a controlá-lo para que não seja dominado por ele. Isso implica em estudo e esforço de renovação, não em mera participação nas reuniões mediúnicas.

8 – Se é tão necessário esse preparo, por que há centros espíritas que realizam sessões mediúnicas públicas?
Talvez porque seus dirigentes não se dêem ao trabalho de estudar O Livro dos Médiuns, onde Kardec orienta a respeito do assunto.

 

 

2010 - Richard Simonetti